segunda-feira, 29 de agosto de 2011

NOVIDADES!

OLA AMIGOS, ESPERO QUE TENHAM SENTIDO SAUDADE DE MIM!!!
ESTIVE MEIO AUSENTE DEVIDO A ALGUMAS EVENTUALIDADES, MAS CHEGUEI AGORA COM TODO PIQUE!!!!

                       A FORMIGUINHA E A NEVE




Certa manhã de inverno, uma formiguinha saiu para seu trabalho diário. Já ia muito longe, à procura de alimento, quando um floco de neve caiu – pim! – e prendeu o seu pezinho!

Aflita, vendo que não podia livrar-se da neve e iria assim morrer de fome e de frio, voltou-se para o Sol e disse:

FORMIGUINHA: _ Oh, Sol, tu que és tão forte, derrete a neve e desprende meu pezinho...

E o Sol, indiferente nas alturas, falou:

SOL: _ Mais forte do que eu é o muro que me tapa!

Olhando então para o muro, a formiguinha pediu:

FORMIGUINHA: _ Oh, muro, tu que és tão forte, que tapas o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o muro que nada vê e muito pouco fala respondeu apenas:

MURO: _ Mais forte do que eu é o rato que me rói!

Voltando-se então para um ratinho que passava apressado, a formiguinha suplicou:

FORMIGUINHA: _ Oh, Rato, tu que és tão forte, que róis o muro, que tapas o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

Mas o Rato, que também ia fugindo do frio, gritou de longe:

RATO: _ Mais forte do que eu é o gato que me come!

Já cansada, a formiguinha pediu ao gato:

FORMIGUINHA: _ Oh, Gato, tu que és tão forte, que comes o Rato, que rói o Muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o Gato, sempre preguiçoso, disse bocejando:

GATO: _ Mais forte do que eu é o cão que me persegue!

Aflita e chorosa, a pobre formiguinha pediu ao cão:

FORMIGUINHA: _ Oh, Cão, tu que és tão forte, que persegues o Gato, que come o Rato, que rói o Muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o Cão, que ia correndo atrás de uma raposa, respondeu sem parar:

CÃO: _ Mais forte do que eu é o homem que me bate!

Já quase sem forças, sentindo o coração gelado de frio, a formiguinha implorou ao homem:

FORMIGUINHA: _ Oh, homem, tu que és tão forte, que bates no Cão, que persegue o Gato, que come o Rato, que rói o Muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E o homem, sempre preocupado com seu trabalho, respondeu apenas:

HOMEM: _ Mais forte do que eu é a morte que me mata!

Trêmula de medo, olhando a morte que se aproximava, a pobre formiguinha suplicou:

FORMIGUINHA: _ Oh, Morte, tu que és tão forte, que matas o homem, que bate no Cão, que persegue o Gato, que come o Rato, que rói o Muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E a morte, impassível, respondeu:

MORTE: _ Mais forte do que eu é Deus que me governa!

Quase morrendo, a formiguinha rezou baixinho:

FORMIGUINHA: _ Meu Deus, tu que és tão forte, que governas a morte, que mata o homem, que bate no Cão, que persegue o Gato, que come o Rato, que rói o Muro, que tapa o Sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho...

E Deus, então, que ouve todas as preces, estendeu a mão por cima das montanhas e ordenou que viesse a primavera!

No mesmo instante, a Primavera desceu sobre a terra, enchendo de flores os campos, enchendo de luz os caminhos!







A A A A B B B C C C D D D E E E E F F F G G G H H I I I I J J J K K L L L M M M N N N O O O O P P P Q Q Q R R R S S S T T T U U U U V V V W W X X X Y Y Z Z Z

quinta-feira, 16 de junho de 2011

A CULTURA POPULAR TEM MUITO VALOR!!!!!!!!!

ÁLBUM FOLCLÓRICO DO PIAUÍ



COMPOSTO PELOS ALUNOS DA SALA DE RECURSOS ALTOS NO PIAUÍ

FOLCLORE E SUAS MANIFESTAÇÕES


Para se determinar se um fato é folclórico, segundo a UNESCO, ele deve apresentar as seguintes características: tradicionalidade, dinamicidade, funcionalidade e aceitação coletiva.


Tradicionalidade, a partir de sua transmissão geracional, entendida como uma continuidade, onde os fatos novos se inserem sem ruptura com o passado, e se constroem sobre esse passado.


Dinamicidade, ou seja, sua feição mutável, ainda que baseada na tradição.


Funcionalidade, existindo uma razão para o fato acontecer e não constituindo um dado isolado, e sim inserido em um contexto dinâmico e vivo.


Aceitação coletiva: deve ser uma prática generalizada, implicando uma identificação coletiva com o fato, mesmo que ele derive das elites. Esse critério não leva em conta o anonimato que muitas vezes caracteriza o fato folclórico e tem sido considerado um indicador de autenticidade, pois mesmo se houver autor, desde que o fato seja absorvido pela cultura popular, ainda deve ser considerado folclórico. Um exemplo disso é a literatura de cordel brasileira, geralmente com autoria definida, mas tida como elemento genuíno da cultura popular.


Pode-se acrescentar a esses o critério da espontaneidade, já que o fato folclórico não nasce de decretos governamentais nem dentro de laboratórios científicos; é antes uma criação surgida organicamente dentro do contexto maior da cultura de uma certa comunidade. Mesmo assim, em muitos locais já estão sendo feitos esforços por parte de grupos e instituições oficiais no sentido de se recriar inteiramente, nos dias de hoje, fatos folclóricos já desaparecidos, o que deve ser encarado com reserva, dado o perigo de falsificação do fato folclórico também deve ser regional, ou seja, localizado, típico de uma dada comunidade ou cultura, ainda que similares possam ser encontrados em países distantes, quando serão analisados como derivação ou variante


TÓPICOS DO ÁLBUM:


1-REMÉDIO CASEIRO


Remédio caseiro para sinusite


As inalações de vapor com economia duas a três vezes por dia, produzem um alívio em gripes e resfriados nasais.


Sinusites frontais: coloque 6 colheres de chá de flores numa taça, faça com 1 a 2 litros de água fervendo, coloque então o rosto sobre a taça e cubra a com uma toalha ou lençol.


É importante respirar o vapor mais profundamente possível durante 10 minutos.






O ALECRIM


Nomes Científicos:


Rosmarinus officinalis
Sin.: Rosmarinus latifolius Miller., Rosmarinus chilensis Molina




Nomes Populares :
alecrim-de-cheiro, alecrim-de-jardim, rosmarinho


Família :
Angiospermae - Família Lamiaceae


Origem:
Originária da zona do Mediterrâneo, Europa.


Descrição:
Planta perene sempre verde, de caráter subarbustivo lenhoso, bastante ramificado, que pode atingir até 2,50 de altura conforme a região de cultivo.
Os ramos flexíveis são de coloração acastanhada mais lenhosos entre as gemas.
Suas folhas são simples,sem pecíolo, opostas, lineares, de consistência coriácea, verde mais claro na página inferior e muito aromáticas.


As flores são branco-azuladas, muito pequenas e também perfumadas, reunidas em inflorescência do tipo racemo axilares ou terminais.


Toda a planta emite um perfume forte e característico, picante e amargo, lembrando a cânfora.
As flores atraem abelhas e o cultivo desta planta é recomendado para produtores de mel.


Cultivo:
Cultiva-se o alecrim em climas temperados, em solos de boa fertilidade, soltos, permeáveis e de pH neutro.


Como é uma planta que não necessita de muita água, pode ser cultivada em regiões mais áridas e em locais pedregosos.
Pode ser usada no paisagismo com sucesso para compor jardins do tipo xerófitos, em bordas de barrancos como pendentes e em grandes vasos, sempre ao sol.


Para canteiros ou vasos, prepara-se o solo adicionando composto orgânico de folhas ou húmus de minhoca, areia de construção e adubo animal curtido, misturando bem. Plantar as mudas, tutorando com estacas de bambu.


Regas regulares até observar que as mudas estão se desenvolvendo, depois espaçar para não encharcar o substrato.
Para os vasos, garantir a drenagem com pedrinhas ou manta, areia úmida e o substrato,colocando o torrão e completar com mais terra,apertando de leve para fixação da muda.


Para fazer a propagação basta colher estacas de ramos e enterrar em areia úmida até enraizar para depois levar para o vaso ou canteiro preparado.
Não esquecer de cobrir as estacas com plástico para manter a umidade.
A melhor época para realizar esta tarefa é do outono até a primavera.


Colher os ramos e secá-los para depois armazenar em vidros tampados para não perderem o perfume.  


Uso culinário e medicinal:
O alecrim é cultivado desde sempre pela humanidade.
Suas folhas in natura ou secas são utilizadas para pratos de carnes e molhos, na cozinha do mundo inteiro.
Combinados com outras plantas servem para temperos compostos apreciados por todos.


Têm propriedades estimulante e anti-séptica, seu óleo essencial é obtido das folhas e serve para tratamento de fígado, linimentos, confecção de sabonetes, perfumes, colônias e para aromaterapia.


Para picadas de insetos basta passar folhas de alecrim esmagadas e para dores de gargante, chá de alecrim com pedacinhos de gengibre melhora a inflamação e o ardor nas gripes e resfriados.


2- ADIVINHAS

Qual é o cúmulo da paciência? Resposta:ver uma corrida de lesmas em câmara lenta?


Porque o cachorro entrou na igreja? Resposta: Porque a porta estava aberta.


O que é o que é que nasce a socos e morre a facadas? Resposta:Pão.


Qual é o cúmulo do absurdo? Resposta: um mudo falar para um surdo que o cego viu um aleijado na árvore.


Quando o cachorro fica desconfiado? Resposta: Quando fica com a pulga atrás da orelha.


O que é que há no meio do coração? Resposta: A letra a.


Quem inventou a fila? Resposta: As formigas.


O que é o que é na televisão cobre um país, no futebol, atrai a bola, em casa incentiva o lazer? Resposta: A rede.


O que é o que é mantem sempre o mesmo tamanho, não importa o peso? Resposta: A balança.


Qual é a diferença entre uma confeitaria e um leque furado? Resposta: Na confeitaria há bananada e um leque furado não abana nada.




3- PROVÉRBIOS


A morte não espera;


A noite é como boa conselheira;


A justiça tarda mais não falha;


A lua não fica cheia em um dia;


A corda sempre arrebenta pelo lado mais fraco;


As águas passadas não movem moinhos.


A ocasião faz o ladrão;


A voz do povo é a voz de Deus;


O povo aumenta mais não inventa;


A necessidade faz a lei.






4- FRASES DE PÁRA-CHOQUE


A cada curva que faço aumenta minha saudade;


A calúnia é com carvão, quando não queima, suja;


Adão foi feliz por não ter sogra e morar no paraíso;


A felicidade não é um destino onde chegamos, mas sim, uma maneira de viajar;e


A fé remove montanhas, mas eu prefiro dinamite;


A fome é o melhor tempero;


A fortuna faz amigos. A desgraça prova se eles existem de fato;


A luz dos teus olhos ilumina o meu caminho;


Amo a vida por que na vida alguém me ama;


A gente se encontra um dia. Quando eu voltar.




5- ARTESANATO


O artesanato é uma manifestação popular, onde há a criação de objetos, utilitários e manual, feitos um a um, sem o auxílio de máquinas ou equipamentos motorizados.


As formas de artesanato se repetem, pois a técnica é passada de pai para filho, de geração em geração. Essas pouco a pouco são absorvidas pelo povo e se espalhando por todas as partes do país principalmente nas áreas pobres e abundantes em matéria-prima.


O artesão traduz em sua arte, as vezes com uma espontaneidade ingênua, mas rica e vibrante, suas crenças e tradições, expressando de forma marcante a criatividade e a ousadia da arte popular de sua região.


6- FESTAS POPULARES E RELIGIOSAS


As festas populares e religiosas exprimem cultura e tradição dos povos, tanto pelas cerimônias festivas, quanto pelos rituais religiosos. Essas celebrações reafirmam laços sociais e raízes que aproximam os homens.


Movimentam e resgatam lembranças e emoções têm como características semelhantes mesmo com enfoques diferenciados, como as manifestações do canto , da dança, da música a principalmente, e o espírito de trocar a fortificação, tão bem expressos nos ditos populares e religiosos traduzem a cultura popular, a imagem do povo tudo, que vem dele e de sua alma.


7- PARLENDAS FOLCLÓRICAS


Lá em cima do piano Hoje é domingo


Tem um copo de veneno Pé de cachimbo


Quem bebeu morreu O cachimbo é de ouro


O azar foi seu! Bate no touro


O touro é valente


Meio dia Bate na gente


Panela no fogo A gente é fraco


Fazendo careta Cai no buraco


Pra dona Sofia O buraco é fundo


Acabou-se o mundo.






8-FESTAS FOLCLÓRICAS


BUMBA MEU BOI


É o folguedo mais característico do Piauí, como de muitos estados brasileiros. Hermilo Borba Filho, quando cita Pereira da Costa, é de opinião que este folguedo surgiu da colonização das terras do Piauí em fins do séc XXIII, com as primeiras doações de sesmarias feitas pelo governador do Pernambuco . A origem do Bumba-meu-boi seria, portanto, pernambucana, baseando-se na antiga modinha que diz:


O meu boi morreu


Que será de mim


Mando buscar outro maninha


Lá no Piauí.


O certo é que nosso boi originou-se aqui mesmo no Nordeste, uma região colonizada através das fazendas de gado, onde o boi era o centro da sobrevivência local. E o Piauí o estado onde esse relacionamento tornou-se mais íntimo. Daí a brincadeira do “Boi” estar revestida de tanta popularidade, de tanta pompa e colorido. O boi, para nós, não é apenas um animal importante como outro qualquer, mas está revestido de uma profunda significação


mística.


O Bumba-meu-boi, antes de ser uma dança, é uma representação dramática, é uma farsa. Seu enredo apresenta conteúdo musical, rítmico, coreógrafo e indumentário constituindo a marco do encontro entre culturas diversas, que aqui entre nós e se adaptaram ante uma realidade ecológica-típica.






9- MÚSICAS FOLCLÓRICAS






Terezinha de Jesus


de uma queda foi ao chão


Acudiram três cavalheiros


Todos três chapéu na mão.






O primeiro foi seu pai


O segundo seu irmão


O terceiro foi aquele


Que a Tereza deu a mão.



Da laranja eu quero um gomo


Do limão quero um pedaço


Da menina mais bonita


Quero um beijo e um abraço.


10- LENDA FOLCLÓRICA PIAUIENSE


Era uma vez, como sempre se iniciam tais estórias. Era uma vez um rapaz da chamada Vila do Poti (hoje apenas bairro do Poti Velho) - aquela mesma vila que nascera antes de Teresina ao menos sonhar em ser gente em matéria de cidade. Era uma vez aquele rapaz que morava com sua mãe viúva e pobre de não ter de seu um couro para morrer em cima. Isto antes de Teresina sequer pensar em Conselheiro Saraiva que naqueles tempos ainda era menino praticando estripulias e travessuras na velha Bahia com h.


Quando certo e determinado dia, o dito rapaz foi pescar nas águas do Poti. Já estava com seu belo e bom pari preparado. Deixe que naquele dia foi dum azar sem nome. Por mais que forcejasse, não conseguia pegar sequer uma por mais fosse pequena piaba.


Voltou à casa fulo de raiva e de fome - duas coisas que misturadas nunca que dão bom resultado, visto a segunda atiçar a primeira para qualquer ato desagradável. Chegou em casa e foi logo botando para cima uma briga tremenda com a velha sua mãe. Aconteceu que esta havia guardado para ele um prato de feijão com apenas de suporte um corredor de boi. Além do mais, o dito corredor limpo como Deus quer as almas. Não tinha de carne um naco. Então, passou ele a espancar a pobre coitada velha, batendo-lhe o corredor na cabeça. Depois, emborcou o corredor sobre o prato e, ao invés de tutano, escorreu mais foi aquele sangue grosso e vivo.


Aí a velha, tonta e cambaleando de tão desadorada dor, saiu do terreiro, ajoelhou-se na areia quente e, de mãos postas, passou a amaldiçoar o filho. E as pregas pegaram, mesmo porque era meio-dia em ponto, hora em que os anjos estão cantando salmos e dizendo amém lá no patamar brilhoso do terreiro do Céu.


Pois ela dissera que ele havia de se transformar num mostro; que ficaria penando para todo o sempre, eternamente, da terra para as águas.


De repente, num átimo, o rapaz enlouqueceu. Perdeu a bola por completo. Ficou mais foi mesmo doido varrido. Aí correu sem sentido e gritando que era um infeliz e amaldiçoado. E atirou-se às águas do Parnaíba. Morreu afogado. E o interessante de tudo foi que ninguém conseguiu encontrar seu cadáver. Na mesma hora, a velha também se fora para o outro lado da vida, que aquelas pancadas sem temo do corredor não eram para menos. Deu uma sapituca, esticou as canelas, olhou para o dedo-grande do pé e fez a viagem-sem-frito. Morreu.


Passa os seis meses de enchentes nas águas, matando gente afogada, tanto virando vapores, balsas, canoas e outras embarcações, como de qualquer maneira. Acredita-se que, por esta temporada, a gente chegando na beira do rio, às horas-mortas da noite e três vezes gritando: ô,ô,ô,... Cabeça-de-Cuia!!! ele aparece. Mas diz que vem com mil e uma marmotas de assombrações. Aliás, vem calmo, julgando ser sua genitora que o chama. Quando observa que não é a velha, pratica as mais horripilantes fantasias. Aquilo ele vem só mesmo por saber que a alma da velha também vive penando no mundo e só se salva quando ele deixar de penar. Mesmo assim, quer ver sua pobre mãe sofrendo por sua causa. É que mãe, para melhor definição, só se pode mesmo dizer que é mãe.


Os outros seis meses ele passa em terra, também praticando fantasias.


Pois é assim. E tem mais: o Cabeça-de-Cuia só deixará de penar no mundo quando devorar sete mulheres virgens de nome Maria. E diz que até o presente não conseguiu consumir uma sequer.


Cabeça-de-Cuia
Letra e música: Pedro Silva


Remeiro valente do rio Parnaíba
Que rema a canoa pra baixo e pra riba
Que brinca com a morte e tem pouca sorte
Desprezando a vida contente a lidar


Remeiro valente lá do meu sertão
Que afronta a torrente e sorri do trovão
Que rompe o balseiro no mês de janeiro
Nas grandes enchentes que descem pro mar


Já viste o cabeça-se-cuia apontar
No meio do rio e depois afundar?
É o filho maldito por pragas aflito
Castigo tremendo que a lenda sagrou


Se vires um dia a cujuba surgir
No meu do rio e depois imergir
Não é ilusão, é assombração
A alma maldita, Crispim pescador




Era a mais bela jovem da tribo dos Acaraós que habitavam as margens do rio Paraim. Por ter sido escolhida dos deuses, Miridam nunca poderia se casar. Somente o velho pajé Piauiguara sabia que, se Miridam conhecesse o amor ela teria um membira (filho na língua Tupi) que não poderia sobreviver. Como sua mãe não resolvia dar-lhe em casamento a nenhum jovem do lugar, ala manteve um amor proibido, às escondidas da todos. Não sabendo como esconder o filho desse amor e com medo de que o mesmo fosse sacrificado, colocou-o num tacho e soltou a pobre criança nas águas do rio Paraim. A natureza se revoltou, o céu ficou escuro e fez descer um corpo estranho que penetrou na terra e abriu uma enorme fenda, por onde jorrou muita água, e que se transformou num imenso lago. É hoje a chamada lagoa de Parnaguá, localizada no sul do Piauí.


A mãe-d'água recolheu e criou a criança e jogou uma maldição na desditosa mãe. Dizem que ainda hoje o filho da mãe-d'água aparece na superfície da lagoa. Ninguém conseguiu até agora desencantá-lo e ele continua aparecendo, já velho, da barbas brancas à luz do luar, ou douradas do entardecer. Dizem, também, que ele aparece como criança nas primeiras horas da manhã. À tarde se torna adulto e à noite é um velho da barbas brancas. Como não diz uma palavra, conta a lenda que quando falar, será o enviado de Tupã para prever o fim do mundo.


Existe, ainda, uma variante desta lenda com o nome da Barba-Ruiva.






Miridam
Letra e música: Enes Gomes


Miridam, doidinha pra namorar
Eu vou contar pra tua mãe
Que tu já queres casar


Tão bela, tão mulher, menina, flor do mato
eu jeito encantador, estás querendo amor
Tu és a mais bonita da tribo Acaraó
Tua mãe não vai deixar ninguém te namorar


Encontrou, um certo dia, um amor
Escondido, proibido, que ninguém pode saber
Pra esconder o fruto desse amor
Pegou a criança e jogou nas águas do Paraim


O inocente também tem o seu direito
E até a natureza veio se manifestar
De repente o rio se transforma em lago
Lá no sul do Piauí, lagoa de Parnaguá


O filho de Miridam se é gente eu não sei não
No coração tanta mágua, virou filho de Mãe-d'Água
Dizem que é assombração
Ui, ui, ui eu não sei não


Dizem que ele aparece, de manhã é uma criança
É barba ruiva à tarde e nas noites de luar
Pra quem quiser espiar é velho de barba branca
Ele pode te assombrar, ai,ai,ai vou me mandar.













Mais uma receita deliciosa!!!!! Hummmm!

Bolo de fubá cremoso


Uma receita deliciosa e super prática da delícia bem brasileira!

Bolo de fubá cremoso


Ingredientes:


- 3 xicaras de leite
- 1/2 xícara de leite de coco
- 3 ovos
- 3 colheres (sopa) de manteiga sem sal amolecida
- 2 xícaras de fubá
- 2 xícaras de açúcar
- 4 colheres (sopa) de farinha de trigo
- 1 colher (café) de essência de baunilha
- 1 pacote de queijo ralado (50g)


Modo de preparo:


Junte todos os ingredientes no liquidificador e bata bem. Em seguida acrescente 1 colher (sopa) de fermento em pó e bata um pouco mais só para misturar. Leve ao forno pré-aquecido em forma untada e enfarinhada até dourar a superfície. Está pronto!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

domingo, 5 de junho de 2011

TEXTO REFLEXIVO

LEMBRETE DE DEUS

Bom dia, EU sou DEUS. Hoje estarei cuidando de todos os seus problemas.
 Por favor, lembre-se de que eu não preciso de ajuda.
Se estiver numa situação que não possa resolver, NÃO tente resolvê-la.
Por favor, coloque na caixa APJF (algo para Jesus fazer).
Ela me será entregue no meu tempo, não no seu.
Uma vez colocado o problema na caixa, NÃO pense mais nele, ou tente removê-lo.
Pensar nele ou removê-lo da caixa, só atrasará a solução do seu problema.
Se for uma situação que você julga capaz de resolver, por favor, consulte-me em oração, para ter certeza da melhor solução. Porque EU não durmo nem mesmo cochilo, não há necessidade de você perder o sono. Descanse, meu (minha) filho (a).
Se você precisar falar comigo, EU estou apenas a uma oração de distância.
Assim como todas as boas coisas, por favor, passe adiante essa mensagem.

MENSAGEM

LIÇÃO DE VIDA
AMIGO PRA VALER

Certa vez, um soldado disse ao tenente:


_ Meu amigo não voltou do campo de batalha, senhor. Solicito permissão pra buscá-lo.


_ Permissão negada, replicou o oficial. Não quero que arrisque sua vida por um homem que, provavelmente, está morto!


O soldado, ignorando a proibição, saiu, regressando, mortalmente ferido, uma hora depois.


Mesmo assim, trazia o corpo do amigo. O oficial o aguardava, furioso.


_ Eu lhe avisei que ele estava morto!!! Agora, ao invés de um, perco dois homens!


_ Diga-me: valeu a pena trazer um cadáver?


E o soldado moribundo, com dificuldade, respondeu:


_ Claro que sim, senhor! Quando o encontrei ainda estava vivo e pôde dizer-me:


_ “Tinha certeza de que você viria...”


Moral da história_ Amigo é aquele que chega, quando todo mundo já se foi. É a presença nas horas incertas, prestando apoio, até mesmo sem pronunciar uma palavra. Simplesmente oferecendo o ombro para que o outro possa desabafar, ou como na história que acabamos de relatar, morrer em paz.

                                                                Valgrícia Dantas Carneiro

Devemos refletir o miraculoso valor da amizade.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

         DINÂMICA DO ABRAÇO



Participantes: Indeterminado (todos os que estiverem participando)

Frase: "Quanta coisa cabe em um abraço."


Objetivos:• criar uma certa intimidade e aproximação com os colegas;

• avaliar o sentimento de exclusão de quem está com o balão;
• sentir que precisa da colaboração do outro para não ser "atingido" pelo balão.


Observação: ABRAÇO (do dicionário): demonstração de carinho, de amizade, acolhimento, ligação, fusão, união. ABRAÇAR: apertar com os braços, entrelaçar-se, ligar-se, unindo-se. (Deixar claro a importância de um abraço a quem precisa e entre o próprio grupo =UNIÃO).


OBS: levar bexigas e CD.






Descrição: Abraçar o colega encostando o peito e contando até três para trocar de "par".Um participante fica de fora com um balão que deverá encostar no peito de alguém"disponível" que assumirá o seu lugar ficando com o balão.Para que não seja encostado o balão, o abraço deverá ser forte e bem próximo e a troca de pares deverá ser rápida.
       REFLITA:

“A VIDA É UMA PEÇA DE TEATRO


QUE NÃO PERMITE ENSAIOS.

POR ISSO, CANTE, CHORE.

DANCE, RIA E VIVA INTENSAMENTE
ANTES QUE A CORTINA SE

FECHE E A PEÇA TERMINE SEM

APLAUSO.”

                 ROSY

quarta-feira, 1 de junho de 2011

CONFIRA ESSE TESTE !!!!

TESTE DE PERSONALIDADE


Faça este teste e veja realmente quem você é


Procure ser sincero nas respostas ao fazer o teste!


As respostas devem ter em conta o que você é agora e não quem você foi no passado !


Para saber sua pontuação clique no botão correspondente ao final do teste ! Depois é só conferir na Tabela de Resultados !


Parte superior do formulário


1. Quando você sente seu melhor ?


pela manhã
durante a tarde e final de tarde
tarde da noite


2. Você normalmente caminha:


bastante rápido, com passos longos,
bastante rápido, com passos curtos e ligeiros,
menos rápido, cabeça para cima, olhando de frente
menos rápido, com a cabeça para baixo
muito lentamente


3. Ao falar com pessoas você:


fica de pé com seus braços dobrados
fica com suas mãos apertadas (fechadas)
com uma ou ambas mãos em seus quadris
toca ou empurra a pessoa a quem você está falando
brinca com sua orelha, toca seu queixo, ou alisa seu cabelo


4. Ao relaxar, você se senta com:


joelhos dobrados juntos lado a lado com suas pernas
cruza suas pernas
com suas pernas esticadas ou abertas
uma perna debaixo de você


5. Quando algo realmente o fizer rir, você reage com:


uma gargalhada
uma risada, mas não muito alta
um quieto riso
um sorriso embaraçado
você dificilmente ri


6. Quando vai para uma festa ou reunião social você:


faz uma entrada chamativa assim todo o mundo o nota
faz uma entrada quieta, enquanto procura conhecidos
faz uma entrada mais quieta, tentando ficar desapercebido


7. Você está trabalhando muito firme,muito concentrado, e te interrompem. Você:


dá boas vindas à interrupção
fica extremamente irritado
varia entre este dois extremos


8. O qual das cores seguintes você gosta mais?


vermelho ou laranja
preto
amarelo ou azul claro
verde
escuro azul ou roxo
branco
marrom ou cinza


9. Quando você já está na cama, nesses últimos momentos antes de ir dormir, você deita:


reto de costas
reto de bruços
em seu lado, ligeiramente curvo
com sua cabeça em um braço
com sua cabeça debaixo das cobertas


10. Você freqüentemente sonha que está:


caindo
lutando ou discutindo
procurando algo ou alguém
voando ou flutuando
você normalmente não tem sonhos (não lembra)
seus sonhos sempre são agradáveis






Parte inferior do formulário


TABELA DE RESULTADO


MAIS DE 60 PONTOS


Os outros o vêem como alguém com quem eles deveriam tomar cuidado,pois você é visto como vaidoso, egocêntrico, e extremamente dominante.


Outros podem o admirar, desejando estar mais como você, embora não confiem sempre, pois hesitam se tornarem muito envolvidos com você.


51 A 60 PONTOS


Os outros o vêem como uma pessoa animada, de personalidade altamente volátil, bastante impulsiva; um líder natural - que é rápido em tomar decisões. Entretanto nem sempre você acerta!


Eles o vêem como um tipo arrojado e aventureiro, alguém que tentará qualquer coisa; alguém que possui coragem para se arriscar e desfrutar de uma boa aventura.


Eles gostam de estar em sua companhia por causa da excitação que você irradia.


41 A 50 PONTOS


Os outros o vêem como vivo, encantador, divertido, prático, e sempre interessante; alguém que constantemente está no centro das atenções, mas suficientemente sensato para não deixar isto subir à cabeça.


Eles também o vêem como amável, considerado, e compreensivo; alguém que sempre os animará e os ajudará.


31 A 40 PONTOS


Os outros o vêem como sensato, cauteloso, cuidadoso e prático.


Eles o vêem como inteligente, talentoso, ou abençoado, mas modesto... Uma pessoa que não faz amigos muito depressa ou facilmente, mas alguém que é extremamente leal aos amigos que tem, e que, por sua vez,espera a mesma lealdade em retorno.


Eles conseguem saber que é difícil abalar sua confiança em seus amigos. Mas também vêem, que você leva muito tempo para superar uma "quebra de confiança" entre amigos.


21 A 30 PONTOS


Seus amigos o vêem como diligente e nervoso. Eles o vêem como muito cauteloso, extremamente cuidadoso. Você realmente os pega de surpresa quando faz algo impulsivamente ou no afã de um momento.


Normalmente todos esperam que você examine tudo cuidadosamente e por todos os lados, mas você, muitas vezes, decide contra isto.


Eles pensam que esta reação é causada, em parte, por sua natureza cuidadosa.


ABAIXO DE 21 PONTOS


As pessoas pensam que você é tímido, nervoso, e indeciso, alguém que precisa pensar mais, que sempre quer que outra pessoa tome as decisões e que não quer se envolver com qualquer um - ou com qualquer coisa.


Eles o vêem como um preocupado que sempre vê problemas onde não existem.
Algumas pessoas pensam que você é enfadonho. Só os que o conhecem bem sabem que você não é assim.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Artigo

Artigo: Brincar na Educação Infantil
Artigo de Ivanise Meyer

Brincar, brincadeira, brinquedo e jogo. Serão sinônimos? Será a brincadeira apenas mais um "recurso didático"?

Com os avanços dos estudos sobre a infância em vários campos, como a Filosofia, História, Psicologia, Sociologia e Antropologia, é possível delinear nossos referenciais e orientar nossa prática cotidiana

entendendo que brincando se aprende a viver.

Brincar & Viver nasceu como uma proposta de trabalho porque os pais das crianças de minha turma entendiam o espaço da escola como um lugar "só" para brincar, como se brincar fosse algo destituído de significado e importância:

"O objetivo geral desta proposta é valorizar a brincadeira como forma de expressão que traduza a construção dos conhecimentos pela criança, vivenciada pela turma, em grupos ou individualmente. A diretriz é garantir um tempo/espaço para o brincar, garantindo à criança, cidadã produtora histórica e cultural, o direito à infância." (Meyer, 2003, p.43)

O brincar na escola se diferencia de casa, pois há uma intencionalidade planejada. Ao escolher quais brinquedos e jogos estarão disponíveis, revelamos nossa preocupação em propiciar que a criança ao brincar desenvolva o máximo das suas potencialidades. Lembremos que em uma Educação Infantil com função pedagógica, onde o educar e cuidar são as metas, o brincar deve evitar ser "excessivamente pedagogizado", pois o brincar precisa dar prazer e alegria à criança.

Brincar é uma linguagem, nossa primeira forma de cultura. Ao brincar, a criança brinca com a cultura. O que podemos oferecer à criança na Educação Infantil? Professores e pais podem propiciar boas experiências quando propõem brincadeiras:

- Brincadeiras tradicionais infantis: a função dessas brincadeiras é perpetuar a cultura infantil, desenvolver a convivência social e permitir o prazer de brincar. A escola pode e deve utilizar estas brincadeiras em seu planejamento. Temos a amarelinha, pião, parlendas, pipa, pular corda, entre outros exemplos.

- Brincadeiras de faz-de-conta: é simbólica, permite à criança criar símbolos, resignificando objetos e sua realidade. Temos a brincadeira com bonecos(as), de casinha. Várias situações podem ser propiciadas na escola e em casa com objetos do dia-a-dia.
- Brincadeiras de construção: têm estreita ligação com o faz-de-conta. Temos os blocos de madeira (ou EVA), de encaixe (tipo "lego"), materiais de sucata (caixas, rolos, barbantes, etc).

- Brinquedo educativo: recurso que ensina, desenvolve de forma prazeroza, como: quebra-cabeça, brinquedos de tabuleiro, dominó, jogo da memória, de encaixe, móbiles, boliche, carrinhos, parlendas, brincadeiras envolvendo músicas, danças, etc. O brinquedo educativo assume a função lúdica e educativa.

- Brincadeiras virtuais: esse é um campo atual, que invadiu nossas casas e escolas ("aulas de informática") que precisa ser compreendido pelos professores e pais. Muitos softwares com jogos infantis se baseiam em jogos tradicionais (exemplo: jogo da memória), a maioria tem função pedagógica, com poucas possibilidades para a criança "criar". A criança amplia suas habilidades manuais e visuais, até auditivas se o jogo permitir, mas como é um programa, todas as respostas são previsíveis. Devemos estar atentos à qualidade das experiências proporcionadas, ao tempo de utilização para evitar o desgaste nas articulaçõe e o ocular. Não há como impedir a utilização do computador ou dos jogos, mas precisamos conversar com nossos alunos e filhos que há outras experiências além dos jogos virtuais, como as brincadeiras já citadas anteriormente.

Ao brincar, com seus pares, com a turma e mesmo sozinha, a criança expressa seus sentimentos, emoções, pensamentos, desejos e necessidades.

Converse com a criança, reserve momentos do dia para estar com ela, observe a alegria que ela tem quando brinca. A criança da Educação Infantil vai à escola ou creche para brincar, e ao brincar ela aprende, se relaciona, se socializa, observa o mundo e utiliza diferentes linguagens (corporal, musical, plástica, oral e escrita). A criança ao frequentar a Educação Infantil avança em seu processo de construção de significados, enriquecendo cada vez mais suas experiências.

Quais são os espaços do brincar? Os pais podem proporcionar estes momentos em casa, nos arredores, praças, parques, praia. Fazendo visita ao Jardim Zoológico, Jardim Botânico, museus, bibliotecas e outros espaços culturais, é possível encontrar programação para as crianças. Estes momentos devem ser de alegria, pois são essas boas recordações que ficam na memória afetiva...

A equipe da escola e creche deve pensar seus espaços do brincar, fazendo as adaptações necessárias, oferecendo boas oportunidades, segurança e acolhimento. O brincar deve ser o eixo central do planejamento. A escola deve proporcionar variados momentos, com formações diferentes, atendendo a todas as crianças. O adulto (a equipe escolar) é o mediador das relações estabelecidas entre as crianças, e delas com os objetos e/ou ambientes.
É a aprendizagem que promove o desenvolvimento, ou seja, a criança se desenvolve porque aprende. Por isso é importante planejarmos boas situações de brincadeira para as crianças.
Ao brincar a criança aprende, e assim, se desenvolve.
A Educação Infantil proporciona o brincar, garantindo aprendizagem, ampliando o desenvolvimento infantil.
" É no brincar, e talvez apenas no brincar, que a criança
ou adulto fruem de sua liberdade de criação.
As brincadeiras servem de elo entre, por um lado
a relação do indivíduo com a realidade interior, e por outro lado, a relação do indivíduo
com a realidade externa ou compartilhada."
D. W. Winnicott